Diversidade cultural nas empresas – Ocidente x Oriente

Com a globalização, a diversidade cultural nas empresas assume um papel cada vez mais importante na contratação de profissionais e na gestão da organização. É possível apreciar essas diferenças culturais em muitos filmes. Como no filme Fábrica de Loucuras, que aborda a diversidade cultural nas organizações, especificamente, entre Ocidente e Oriente. 

Diversidade cultural nas empresas: filme Fábrica de Loucuras é um exemplo de como não se impor uma cultura corporativa.

“O Oriente é o Oriente, o  Ocidente é o Ocidente, e os dois jamais se encontrarão”, escreveu o poeta indiano/britanico Rudyard Kipling em A balada do Leste e Oeste (The ballad of East and West) num de seus versos. A literatura e o cinema são fartos de exemplos que mostram que as a diversidade cultural entre essas duas regiões do globo são muitas vezes intransponíveis. Quem não se lembra de Bill Murray e Scarlett Johansson perdidos em Tóquio no filme Encontros e Desencontros? Ou das diferenças culturais entre persas e americanos no filme Casa de Areia e Névoa?

Definitivamente, a convivência entre os povos do lado de cá e de lá do meridiano de Greenwich parece, à primeira vista, complicada.

Só que esses filmes — na verdade, muitos dos filmes sobre diversidade cultural — abordam o aspecto das relações interpessoais. Acontece que, com a globalização, a diversidade cultural assume um papel cada vez mais importante para o sucesso de um empreendimento. E aí eu retomo a questão: se Oriente e Ocidente têm que trabalhar juntos, como fazê-los se encontrarem para o sucesso de um negócio?

Essa é a pergunta que um dos filmes mais interessantes sobre cultura e trabalho que eu conheço se faz. Falo de um clássico da Sessão da Tarde: Fábrica de Loucuras (Gung Ho, 1986), dirigido por Ron Howard e estrelando Michael Keaton, o eterno Batman de Tim Burton.

A trama: Americanos x japoneses

No filme, uma fábrica de automóveis é o coração econômico da cidade industrial de Hadleyville, na Pensilvânia. Porém, a montadora que controla a fábrica decide fechá-la, o que decreta o fim da cidade. Numa tentativa desesperada de salvar empregos e a economia do lugar, Hunt Stevenson (Keaton), ex-mestre-fábrica, vai a Tóquio falar com os diretores da montadora para reativar a fábrica.

Os diretores aceitam — mas desde que sejam implementadas mudanças no lugar. O objetivo é que os trabalhadores americanos passem a trabalhar com a mentalidade prezada pela fabricante. Isso significa disciplina acima de tudo, colocar o bem da empresa acima das preferências e objetivos individuais.

No comando da fábrica, os executivos colocam Kaz Kazuhiro (Gedde Watanabe), que precisa urgentemente transformar o empreendimento em sucesso e agradar os seus patrões. Kazuhiro tem um histórico de fracassos nas posições de chefia que já ocupou, coisa que os executivos atribuem ao seu excesso de leniência com os seus liderados. Por isso, dessa vez, ele decide ser absolutamente estrito.

Agora trabalhando por uma fração do salário anterior ao fechamento da fábrica, os funcionários precisam participar de atividades como ginástica laboral e têm de trabalhar sob exigências quase impossíveis de cumprir. Além disso, a fabricante proíbe atividades de cunho sindical, como encontro de trabalhadores.

A diversidade cultural nas empresas na prática

De primeira, Hunt tenta elevar o moral dos trabalhadores fazendo-os lembrar de um grande desafio do passado: uma partida de futebol americano dos tempos da escola. Hunt tenta apelar para o talento individual de cada trabalhador. Porém, a estratégia não funciona: quando a fabricante exige que 15 mil carros sejam feitos num único mês (o que exige níveis hercúleos de esforço), todo o trabalho de convencimento feito com os trabalhadores vai para o vinagre.

Porém, a direção da montadora não vê nenhum absurdo nas novas exigências — o que é a gota d’água do relacionamento entre Hunt (que atua agora como gerente de pessoal) e Kazuhiro. Kazuhiro simplesmente não entende o porquê dos profissionais americanos pensarem tanto no bem-estar individual, por exemplo. Numa cena crucial, ele afirma: “Vocês nem vêm trabalhar quando adoecem!”

Quando o fim do mês vem chegando e fica claro que a meta de 15 mil não será batida, os trabalhadores entram novamente em pânico, já que a montadora deixa explícito que a fábrica será fechada de novo. Determinados a baterem a meta custe o que custar, Hunt e Kazuhiro vão à fábrica sozinhos e começam a montar carros com as próprias mãos. Inspirados pela determinação dos dois líderes, os funcionários reaparecem de livre e espontânea vontade, e decidem montar os carros faltantes.

No dia seguinte, Mr. Sakamoto, o CEO da fabricante, visita a fábrica. A meta não foi batida, mas os funcionários conseguiram montar um número suficiente de carros para impressionar o chefe ranzinza. No final, ele diz: “Boa equipe”, ao que Kazuhiro responde: “Bons homens.”

O “eu” e o “nós”

Um dos elementos mais impactantes do filme para mim é o duelo entre individualismo e coletivismo. É precisamente aquilo que esse último diálogo entre Kazuhiro e Mr. Sakamoto representa e que fica clara a diversidade cultural nas empresas que podemos encontrar.

O que foi que provocou essa inspiração que fez os trabalhadores tentarem, ainda que inútilmente, baterem a meta? Foi serem bons homens — isto é, indivíduos com senso de esforço ou dedicação — ou foi a superação de medos e vontades individuais em prol do bem da companhia?

Essa é a grande questão do filme, para mim. E é também a grande questão das diferenças culturais entre países e sociedades em que o senso de “eu” é menos importante que o nós. O Japão pode ser um exemplo extremo disso, algo que pode ser notado até mesmo pelo modo deles de endereçar uma correspondência. Se nós começamos escrevendo nossos nomes, o número da nossa casa, da rua, do bairro, da cidade, do estado e do país, eles fazem exatamente o contrário. O Japão vem primeiro e por último vem o meu endereço residencial.

Quando o assunto é diversidade cultural nas empresas, não existe certo e errado

O grande problema que o filme apresenta é que não está errado os americanos serem mais “individualistas” e os japoneses serem mais disciplinados. É que o método de imposição da nova cultura na fábrica está errado — algo que até mesmo o japonês Kazuhiro percebe. Numa cena em que um dos funcionários deseja ser liberado do serviço para poder acompanhar o nascimento do filho e tem o pedido negado, o jovem gerente exclama: “Estou vivendo num episódio dos Looney Tunes!” Ou seja: nada faz sentido.

Fábrica de Loucuras é hoje um clássico do cinema de comédia e um excelente filme para quem quer saber como não se impor uma cultura corporativa. É tão importante que a Toyota utiliza o filme Fábrica de Loucuras até hoje nos treinamentos dos seus executivos como forma de mostrar como não gerenciar funcionários ocidentais.

Leia também: Cinco lições que aprendi com “Angry Men”

De qualquer forma, independentemente se somos mais individualistas ou coletivistas, não resta dúvida de que uma empresa ou empreendimento só vai para frente quando a obra funciona harmoniosamente — seja pelo mérito individual ou pela sincronia entre todos. E o título original do filme deixa isso claro: Gung ho é uma expressão chinesa que significa “bom trabalho em equipe”.

– Ernesto Schlesinger

Siga a Uni.co no LinkedIN para não perder mais nenhum artigo de Ernesto Schlesinger, sempre trazendo boas reflexões entre filmes e o mundo corporativo.

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS:

Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Políticas de Privacidade

Para garantir sua satisfação, a UNI.CO criou uma Política de Privacidade, que esclarecemos abaixo. Qualquer dúvida, envie-nos um e-mail: avena@unicorc.com.br. A Política de Privacidade da UNI.CO foi criada para demonstrar o seu compromisso com a privacidade e segurança de informações coletadas dos usuários de serviços interativos oferecidos no site da UNI.CO.

1. Quais dados pessoais serão tratados pela UNI.CO?
A UNI.CO poderá coletar as informações inseridas ativamente por você, “usuário”, no momento do contato, através do preenchimento do formulário de contato, ainda, informações coletadas automaticamente ao utilizar os nossos serviços. Há, assim, o tratamento de dois tipos de dados pessoais: (i) os fornecidos pelo próprio usuário e (ii) aqueles coletados automaticamente pela UNI.CO.

1.1. Dados Pessoais Fornecidos pelo Usuário
A UNI.CO coleta todos os dados pessoais inseridos ou encaminhados ativamente pelo usuário ao contatar em nosso site. São eles: nome completo, nome da empresa, e-mail, telefone e site. Independentemente de quais dados pessoais o usuário fornece ativamente à UNI.CO, nós apenas faremos uso daqueles efetivamente relevantes e necessários para o alcance das finalidades a ele declaradas na coleta dos dados.

1.2. Dados coletados automaticamente pela UNI.CO
A UNI.CO coleta uma série de informações de modo automático no site de interação com o usuário, tais como: características do dispositivo de acesso, do navegador, IP (com data e hora), origem do IP, informações sobre cliques, páginas acessadas, dentre outros. Para tal coleta, a UNI.CO fará uso de algumas tecnologias padrões, como cookies, pixel tags, beacons e local shared objects, que são utilizadas com o propósito de melhorar a sua experiência de navegação em nosso site, de acordo com os seus hábitos e preferências.

1.3. Com quais finalidades a UNI.CO tratará seus dados?
Os dados pessoais tratados pela UNI.CO têm como principais finalidades a possibilidade do usuário conhecer a oferta de produtos da UNI.CO e o fornecimento de informações via formulário de contato.

2. O que são e como a UNI.CO utiliza a tecnologia cookies?
Cookies são arquivos ou informações que podem ser armazenadas em seus dispositivos quando você visita o website da UNI.CO. Geralmente, um cookie contém o nome do site que o originou, seu tempo de vida e um valor, que é gerado aleatoriamente.
A UNI.CO utiliza cookies para facilitar o uso e melhor adaptar seu website e aplicações aos interesses e necessidades de seus usuários, bem como para auxiliar e melhorar sua estrutura e seus conteúdos. Os cookies também podem ser utilizados para acelerar suas atividades e experiências futuras em nossos serviços.
Por meio de cookies, o site armazena informações sobre as atividades do navegador, incluindo endereço IP e a página acessada. Esses registros de atividades (logs) serão utilizados apenas para fins estatísticos e de métricas dos serviços disponibilizados ou para a investigação de fraudes ou de alterações indevidas em seus sistemas e cadastros, não tendo como finalidade o fornecimento dos dados a terceiros sem autorização expressa do usuário.
Esses registros poderão compreender dados como o endereço de IP do usuário, as ações efetuadas no site, as páginas acessadas, as datas e horários de cada ação e de acesso a cada página do site, as informações sobre o dispositivo utilizado, versão de sistema operacional, navegador, dentre outros aplicativos instalado.